quarta-feira, 15 de Outubro de 2003

Aulas

Começam as aulas e o blogue ressente-se. Dei as minhas apresentações em várias cadeiras e tive na minha frente novos rostos e sorrisos. Esta espécie de dramatização inicial aparece-me, todos os anos, como um desígnio ou como um apelo de registo, pois é no primeiro face a face que algum do tempo a ser vivido nos próximos meses se prefigura. E assim voltou a suceder. Com agrado.

Águas paradas

Já não sei quem o escreveu, creio que foi no último JL - esse jorna pimpão e escolástico -, mas a verdade é que passou algures, na frente dos meus olhos, essa lenda que opõe os blogues necessariamente abertos (os de cariz jornalista) contra os blogues alegadamente fechados (porque confessionais e opinativos). Para além deste fantasmático binarismo próprio dos pobres de espírito que têm lugar cativo no céu, o que me impresisona mais neste tipo de teia mental é a total incompreensão de que vivemos em rede e que, por isso mesmo, qualquer natureza do dito, do enformado, do afirmado aparecerá sempre como um manancial de abertura e de concatenação com o OUTRO.
Por que esperarão ainda alguns que a específica e reduzida dimensão da comunicação veiculada e trabalhada pelos média se possa substituir aos universos comunicacionais que todos nós respiramos no quotidiano ?
Por que quererão confundir os fluxos e as meta-ocorrências com a vida ?
Deixem-nos respirar !